resep masakan

Educação Ambiental com ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis

MODALIDADE: Especialização

DURAÇÃO: Outubro de 2014 a Junho de 2016

CARGA HORÁRIA: 420h

 

O Processo Formativo em Educação Ambiental: Escolas Sustentáveis e COM-VIDA, está estruturado em oferta de curso de Pós-Graduação (na modalidade Especialização com duração de 420h) e de Extensão (com duração de 120h)É uma iniciativa do Centro de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), em parceria com o Ministério da Educação e a Universidade Aberta a Distância (UAB), sendo o CEAD-UFOP responsável pela coordenação, elaboração das matrizes teórico-metodológicas, organização e capacitação de equipe de especialistas e supervisão pedagógica.

A estruturação do Processo Formativo em Educação Ambiental é uma demanda dos educadores ambientais do país e está prevista na Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA) e no Programa Nacional de Educação Ambiental (PRONEA), tendo sido reiterada nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental (DCNEA). Relacionado ao Ensino Formal as DCNEA salientam a relevância da escola como espaço educador de importância fundamental na transição para a sustentabilidade. Neste sentido, o Programa Nacional Escolas Sustentáveis (PNES) vem sendo construído desde 2010 com a participação de diversos educadores engajados em universidades, organizações não governamentais (ONGs), movimentos sociais e redes de educação ambiental.

A UFOP tem se destacado neste processo, com várias iniciativas de formação e mobilização em Educação Ambiental, onde se insere a oferta dos cursos de Especialização e de Extensão em Escolas Sustentáveis. Os cursos integram o Plano de Desenvolvimento da Educação do governo federal, contando com a parceria do Departamento de Engenharia de Produção, Administração e Economia- (DEPRO), do Programa da Agenda 21 da UFOP e do Núcleo de Estudos do Futuro.

A coordenação geral é da professora Dulce Maria Pereira do CEAD/UFOP que em articulação com a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi) que tem implementado políticas educacionais na área de educação ambiental, por meio da Coordenação Geral de Educação Ambiental (CGEA) visando a promoção da sustentabilidade socioambiental e a melhoria da qualidade de vida na escola e sua comunidade. Os projetos, ações são financiados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e de diversos parceiros nas esferas nacional, estadual e municipal.

O Curso de Especialização, Educação Ambiental com ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis é pioneiro no país e está estruturado num programa formativo amplo, que fornece a capacitação teórica, as diretrizes metodológicas, as ferramentas pedagógicas e os instrumentos didáticos necessários para a formação docente. Tendo como eixo a formação de professores que sejam sujeitos engajados na transição das escolas de ensino fundamental do país em espaços sustentáveis. O Curso também prevê aulas com diversos professores especialistas nas temáticas do curso, professores de vários estados como Mina Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, bem como o acompanhamento de tutores e a disponibilização de acervo bibliográfico.

O Curso de Especialização na oferta 2014/2016 disponibiliza 470 vagas e se desenvolve em 20 polos de três regiões do país, com cursistas de municípios dos estados de Acre, Alagoas, Amapá, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Pará e São Paulo. É uma formação continuada em educação ambiental, notadamente, para professores que atuam na educação básica, mas também para gestores públicos, profissionais e lideranças comunitárias que pretendam desenvolver ou já desenvolvam projetos de educação ambiental com ênfase na sustentabilidade a partir da escola, todos selecionados através de editais.

O objetivo básico é o embasamento sobre a cultura da sustentabilidade com enfoque interdisciplinar, crítico, emancipatório e calcado nos pressupostos de territorialidade, diversidade, inclusão e respeito a todas as formas de vida.

A Universidade Federal de Ouro Preto ao organizar estes Processos Formativos, demonstra mais uma vez seu protagonismo na área educacional do país, levando formação qualificada aos educadores e fortalecendo a Educação Pública do Brasil.

O curso está isento de taxas de inscrição, matrícula e mensalidade. Informações adicionais podem ser obtidas pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou ainda pelo contato (31) 3559.1306.

 

Disciplinas
Calendário 2014/2016
Mapa de oferta 2015
bt mapa oferta


+ Projeto Pedagógico do Curso

A mudança civilizatória sem precedentes, que tem nas mudanças ambientais globais a sua face mais visível, exige dos profissionais de educação uma abordagem da integridade da biosfera e da sobrevivência humana no planeta, que extrapola a visão meramente biocêntrica com que a educação ambiental tem sido usualmente tratada. Para isso, a Coordenação Geral de Educação Ambiental do MEC considera fundamental a formação continuada de professores e profissionais de educação numa perspectiva de educação ambiental interdisciplinar e transversal, em diálogo com o projeto político-pedagógico das escolas.

O Processo Formativo em Educação Ambiental: Escolas Sustentáveis e COM-VIDA considera a escola um ponto de referência comunitária. É fundamental fortalecer e potencializar a influência social das escolas, em um período em que a sociedade brasileira clama por (re)valorizar a educação. Neste momento da história, os debates sobre qualidade de vida carecem de estruturação e intenções que vão ao encontro de materializações objetivas e harmônicas aos processos e movimentos da natureza, sendo comprometidas com o presente e o futuro de todas as formas de vida, incluindo a humana. Neste contexto, a Educação Ambiental agrega aos processos de Educação valores de ética e cidadania, referenciados no viver cotidiano nos territórios considerando as realidades local e global. Introduz o cuidado, inclusive as referências ancestrais de cuidado dos diversos grupos humanos, como referência para as relações socioambientais.

Escolas sustentáveis são definidas como aquelas que mantêm relação equilibrada e de cuidado com o ambiente e que compensam seus impactos com o desenvolvimento de tecnologias apropriadas, de modo a garantir qualidade de vida às presentes e futuras gerações, são espaços educadores sustentáveis. Esses espaços têm a intencionalidade de educar pelo exemplo e irradiar sua influência para as comunidades nas quais se situam. A transição para a sustentabilidade nas escolas é promovida a partir de três dimensões inter-relacionadas: espaço físico, gestão e currículo.

Espaço físico: utilização de materiais construtivos mais adaptados às condições locais e de um desenho arquitetônico que permita a criação de edificações dotadas de conforto térmico e acústico, que garantam acessibilidade, gestão eficiente da água e da energia, saneamento e destinação adequada de resíduos. Esses locais possuem áreas propícias à convivência da comunidade escolar, estimulam a segurança alimentar e nutricional, favorecem a mobilidade sustentável e respeitam o patrimônio cultural e os ecossistemas locais.

Gestão: compartilhamento do planejamento e das decisões que dizem respeito ao destino e à rotina da escola, buscando aprofundar o contato entre a comunidade escolar e o seu entorno, respeitando os direitos humanos e valorizando a diversidade cultural, étnico-racial e de gênero existente.

Currículo: inclusão de conhecimentos, saberes e práticas sustentáveis no Projeto Político-Pedagógico das instituições de ensino e em seu cotidiano a partir de uma abordagem que seja contextualizada na realidade local e estabeleça nexos e vínculos com a sociedade global. O currículo define os conceitos e processos da relação currículo + gestão + espaço construído.

A criação de espaços educadores sustentáveis visa atender às ações elencadas como necessárias ao enfrentamento das mudanças climáticas. Por isso, foi inserida como iniciativa do MEC nas pautas interministeriais previstas no Plano Nacional de Mudança do Clima, constituindo elemento facilitador na prevenção e no enfrentamento de riscos ambientais e no fortalecimento do Sistema Nacional de Defesa Civil (Lei 12.340/2010).

A formação de Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Escola (COM-VIDA) é fundamental pois trata-se de elemento estruturante na constituição de espaços educadores sustentáveis. A COM-VIDA é um colegiado que envolve estudantes, professores, gestores, funcionários, pais e comunidade com o objetivo de promover a sustentabilidade na escola em todas as suas dimensões, estabelecendo relações entre a comunidade escolar e seu território em busca de melhoria da qualidade de vida. A originalidade desse coletivo é estimular e fortalecer a liderança estudantil na definição dos destinos da escola. Orientada por esses objetivos, a COM-VIDA anima um espaço de construção coletiva do futuro que se deseja e, para isso, estabelece a “Agenda 21” na Escola. Este colegiado deve estar articulado com os conselhos escolares e de alimentação escolar, integrando-os e transversalizando as práticas e conceitos de eco cidadania, além de mobilizar a juventude para a consolidação dos espaços educadores sustentáveis.

Como espaço de diálogos, a COM-VIDA ajuda a escola, na atuação nos conselhos ou em parceria com os mesmos, a projetar e implementar ações visando um futuro sustentável.

Isso tem reflexos no exercício de cidadania, de respeito aos direitos humanos e à diversidade sociocultural, bem como na gestão do espaço físico da escola, aprimorando a eficiência no uso dos recursos e diminuindo o desperdício de água, energia, materiais e alimentos. A COM-VIDA pode influir na política de compras e na destinação adequada de resíduos, entre outras práticas voltadas ao bem-estar pessoal, coletivo e ambiental.

Nesse sentido, a transição para a sustentabilidade da comunidade escolar passa, necessariamente, pela criação, estruturação e fortalecimento da COM-VIDA, articulada com os conselhos. Isso envolve a destinação, pela escola, de espaço para o funcionamento desta comissão, bem como a realização de uma agenda permanente de ações, como diagnósticos da situação socioambiental, promoção de palestras, visitas guiadas, oficinas, entre outras atividades identificadas como necessárias pelo coletivo escolar.

A busca de sustentabilidade e a implementação da “Agenda 21” na Escola constituem exercício permanente e preveem alterações graduais no ambiente e na rotina escolares. Por isso, a Coordenação-Geral de Educação Ambiental do MEC trabalha com o conceito de “transição para a sustentabilidade”. Isso envolve o desenvolvimento de uma visão de futuro, o planejamento das ações para alcançá-lo e a busca de recursos para realizar ações identificadas como prioritárias, bem como persistência do coletivo escolar em alcançar as metas pretendidas.

O Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), com financiamento específico para projetos de Educação Ambiental e ações dos processos de implantação de Escolas Sustentáveis, surge nesse contexto e preconiza a utilização dos recursos em ações que possam conferir visibilidade à intenção de educar para a sustentabilidade. A escola poderá utilizá-los em uma ou mais ações relacionadas ao espaço físico, à gestão ou ao currículo. É importante, porém, que as intervenções possibilitem à escola realizar uma experiência demonstrativa, que seja amplamente divulgada e estimule processos pedagógicos, tornando-se referência na promoção da cultura da sustentabilidade.

O conteúdo programático do curso propõe uma reflexão, discussão e a elaboração de um projeto de intervenção na qual a Escola possa gradualmente ter ações que a transforme num espaço educador sustentável, com a participação coletiva.

A partir do currículo e das ações de sustentabilidade definidas para que as escolas, em seus territórios, segundo a trajetória de seus povos, conflitos e potencialidades se tornem espaços educadores sustentáveis, são introduzidas referencia de tecnologias ambientais no curso de especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis. Ecotécnicas são tecnologias ambientais sustentáveis que visam à economia e ao reaproveitamento dos recursos naturais, incorporando saberes históricos dos grupos humanos, tanto o conhecimento universal como, principalmente, as sabedorias da população local. Integram-se, nesta opção de linha tecnológica, conhecimentos históricos e novas sínteses e descobertas científicas e tecnológicas do cotidiano, além de técnicas de gestão ambiental.

O público alvo do curso são profissionais, gestores e professores da educação nas escolas públicas e está previsto para um período de 18 meses.

+ Perfil do Profissional

Certificação, em nível de especialização, de profissionais da educação, como gestores e professores vinculados a escolas públicas do ensino médio, fundamental ou da educação infantil; ou ao ensino superior, servidores federais, estaduais ou municipais, cuja atividade inclua o trabalho com escolas, especialmente aqueles que trabalham com projetos e desenvolvem atividades que interferem na rede física da educação, ou pessoas da comunidade escolar que trabalhem, estudem ou tenham interesse pela temática do curso, tornando-os aptos a descrever, articular, compartilhar e conduzir processos de transformação das escolas em espaços educadores sustentáveis e/ ou de instituições e empreendimentos em espaços sustentáveis.

+ Objetivos Gerais

O curso tem por objetivo capacitar e certificar educadores e comunidade a transformar a escola em espaço educador sustentável a partir da articulação entre currículo, gestão e espaço construído, com enfoque interdisciplinar, crítico, emancipatório e fundamentado nos pressupostos de territorialidade, diversidade, inclusão e respeito a todas as formas de vida.

+ Objetivos Específicos

  1. Refletir sobre o ambiente escolar e as possibilidades em torná-lo um espaço educador sustentável a partir do estabelecimento e reconstrução das relações socioambientais entre a escola e comunidade;

  2. Discutir e demonstrar a importância de considerar os aspectos culturais e de bem-estar para entender as relações com o meio ambiente;

  3. Mobilizar a comunidade escolar, articulando os conselhos, assim como implantar uma Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida (COM-VIDA) nas escolas, como instrumento de gestão democrática e de planejamento participativo da transição para a sustentabilidade;

  4. Estimular e conceituar estratégias para qualificar o tratamento da educação ambiental nos currículos, de forma transversal e interdisciplinar;

  5. Estimular a escola a implementar e a participar de projetos que promovam a educação para a diversidade e a sustentabilidade;

  6. Planejar uma intervenção na escola para transformá-la em espaço educador sustentável, possibilitando ser referência de sustentabilidade para as comunidades onde se insere;

  7. Planejar, no caso de profissionais que não atuem diretamente no sistema de ensino, uma intervenção em estabelecimento ou processo referente a sua área de atuação que materialize os conteúdos de educação ambiental do curso possibilitando referencias de sustentabilidade socioambiental no território.

+ Metodologia

O curso organizado em disciplinas, na forma modular, desenvolvido na modalidade a distancia e momentos presenciais, com duração de 18 meses.

Utiliza a internet como meio de comunicação e informação em um ambiente virtual de aprendizagem (AVA) e a partir da interatividade entre os participantes, tutores e professores e também acesso ao material de apoio, especialmente desenvolvido por uma equipe de especialistas.

Sua proposta pedagógica está assentada na relação reflexão-teoria-prática, que expressa uma concepção de formação humana e de gestão educacional dentro dos marcos da democracia e da cidadania, buscando incentivar o pensamento crítico sobre a realidade socioambiental, tendo a escola como local privilegiado. Esse processo de formação implica na apropriação de meios, mecanismos e instrumentos que permitam intervenções satisfatórias na transformação das escolas em espaços educadores sustentáveis, a partir da compreensão do conceito de sustentabilidade.

Como trabalho de conclusão do curso, os participantes são orientados a desenvolver projetos de intervenção local, considerando a interação entre escolas e comunidades.

O produto final do curso é a apresentação de uma proposta de intervenção na realidade escolar, elaborada individualmente e em formato de um artigo científico e avaliado por uma comissão examinadora.

+ Formas de avaliação

A avaliação da aprendizagem entendida como um processo contínuo e sistemático, funcional e orientador dos objetivos educacionais propostos no curso, assim as atividades desenvolvidas pelos cursistas são acompanhadas e avaliadas de modo contínuo pelos tutores, professores e coordenação procurando compreender o processo de construção do conhecimento. Essa equipe se mantém em constante interação visando à troca de informações, à apreciação conjunta das dificuldades e à busca de soluções relacionadas aos desafios apresentados em cada componente curricular.

Devido à natureza interativa desse processo, o diálogo constitui base fundamental da avaliação, cabendo aos tutores/professores a iniciativa de proporcionar os estímulos e incentivos necessários ao desenvolvimento e avanços nessa prática pedagógica, respeitando e motivando o cursista, que é um parceiro ativo nessa interação, procurando assegurar do potencial de cada situação.

O desempenho do cursista poderá ser realizado por meio dos instrumentos avaliativos propostos dentro de prazos pré-estabelecidos para envio e finalizações.

Os instrumentos avaliativos propostos são atividades em momentos presencial e a distancia, com tarefas individuais (leituras, reflexões e produção de texto, registro em diário de bordo), tarefas em grupo (implantação/ revitalização da COM-VIDA, intervenções dentre outros); participação nas discussões em atividades de chats e fóruns propostos.

Três avaliações são fundamentais: uma avaliação presencial após ter finalizado 30% do conteúdo do curso; uma segunda avaliação não presencial após o término de 80% do conteúdo que analisa e avalia o pré-projeto de pesquisa e a última é avaliação do TCC.

O cursista não aprovado, na primeira avaliação, pode continuar desde que garanta um coeficiente de aproveitamento maior ou igual a 70% nas atividades da plataforma e 100% de frequência nas atividades presenciais.

Cursista que não aprovado no pré-projeto ou no TCC, garantindo o aproveitamento nas atividades propostas e frequência nos encontros presenciais, ao término do curso é certificado em nível aperfeiçoamento, como aprovado em curso de aperfeiçoamento.

+ Polos Presenciais

  • BARRETOS – SP O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • BRAGANÇA – PA O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • CAMETÁ – PA O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. 
  • COROMANDEL – MG O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • CRUZEIRO DO SUL – AC O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • DIAS D'ÁVILA – BA O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • DOM ELISEU – PA O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. 
  • ESPLANADA – BA O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • FEIJÓ - AC (Brasiléia/AC – Sena Madureira/AC) O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • IGARAPÉ-MIRI – PA O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. 
  • LAGAMAR - MG O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • MARABÁ – PA O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • OIAPOQUE – AP O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • OURO PRETO – MG O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • RIO BRANCO – AC O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA – PA O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • UBERLÂNDIA - MG O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. 
  • VITÓRIA - ES O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • SALA VERDE SERRANA DE QUILOMBOS UNIÃO DOS PALMARES - AL O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. 
  • SÃO FRANCISCO - MG O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

+ Tutores e Enraizadores

1 . BARRETOS – SP

Tutores: Fabiano Botta Tonissi e Jessica Maria dos Santos

Enraizadora: Rosa Maria Toro Tonissi

2 . BRAGANÇA – PA

Tutor: Vitor Augusto Nascimento

Enraizadora: Kenia Nassau Fernandes

3 . CAMETÁ – PA

Tutora: Dileusa do Carmo Cruz; Maria Salete Pantoja Aquine

Enraizadora: Kenia Nassau Fernandes

4 . COROMANDEL – MG

Tutoras: Vania Aparecida Nunes Silva e Termisia Luiza Rocha

Enraizadoras: Marina Macedo Carvalho

5 . CRUZEIRO DO SUL – AC

Tutoras: Clenia Fabiana de Souza Lima e Jaira Oliveira da Silva

Enraizadora: Jacqueline Guerreiro

6 . DIAS D'ÁVILA – BA

Tutora: Cintia Ramos Azevedo; Thaise Cardoso Dourado

Enraizadora: Cintia Ramos Azevedo

7 . ESPLANADA – BA

Tutoras: Antonia Taligean de Sousa Nascimento e Fernanda Pereira Nery

Enraizadora: Cintia Ramos Azevedo

8 . FEIJÓ - AC (Brasiléia/AC – Sena Madureira/AC)

Tutora: Flávia Burlamaqui Machado

Enraizadora: Jacqueline Guerreiro

9 . IGARAPÉ-MIRI – PA

Tutora: Maricelia Rodrigues Fonseca

Enraizadora: Kenia Nassau Fernandes

10 . LAGAMAR - MG

Tutoras: Sandra Aparecida Borges e Geovani Bernardes Dias Júnior

Enraizadora: Marina de Macedo Carvalho

11 . MARABÁ – PA

Tutor: Ademar da Luz Filho e Anilson Junior da Silva Campos

Enraizadora: Kenia Nassau Fernandes

12 . OIAPOQUE – AP

Tutor: Patricia Gonçalves Alves

Enraizadoras: Jessica Maria dos Santos e Tatiane Pereira de Souza

13 . OURO PRETO – MG

Tutoras: Camila Santos Tolosa Bianchi e Águeda Cristina Martins dos Santos

Enraizador: Anilson Júnior da Silva de Campos

14 . RIO BRANCO – AC

Tutoras: Artemizia Barros Pimentel e Juliana da Silva de Abreu Pereira

Enraizadora: Jacqueline Guerreiro

15 . SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA – PA

Tutora: Dayana Cristina Barboza Carneiro

Enraizadora: Kenia Nassau Fernandes

16 . SÃO FRANCISCO - MG

Tutora: Adalcira Santos Bezerra e Laudiceia Matheus Almeida

Enraizadora: Jessica Maria dos Santos

17 . UBERLÂNDIA - MG

Tutores: Alzira Ribeiro de Sousa Mendes e Wesley Alves Vieira

Enraizadora: Marina de Macedo Carvalho

18 . VITÓRIA - ES

Tutoras: Mariana Aguiar Correia Lima e Emilene Coco dos Santos

Enraizadora: Jacqueline Guerreiro

19 . UNIÃO DOS PALMARES - AL Sala Verde Serrana de Quilombos

Tutor: Carlos Jorge Da Silva Correia e Maria Madalena Soares Da Silva

Enraizadora: Kenia Nassau Fernandes

+ Estagiários (Fundação Gorceix e FEOP)

Estagiários:

Daniel Trolez Pereira

Gabriela Chaves

Luis Filipe

Luiz F. Barbosa de Queiroz

Victor Pereira

+ Docentes

Prof. ANILSON JUNIOR DA SILVA DE CAMPOS

- Instrumentação para Educação Ambiental e a Prática Interdisciplinar

- Educação Ambiental e Escolas Sustentáveis

Profa. ANTONIA SONIA STACHISSINI

- Projeto de Pesquisa, Intervenção e Seminários Temáticos

- Pesquisa em Educação Ambiental

Prof. CARLOS FREDERICO CASTELLO BRANCO

- Educação Ambiental e Escolas Sustentáveis

Profa. DENISE MARIA GÂNDARA ALVES (convidada)

- Educação a Distancia e Ambiente Virtual de Aprendizagem

Profa. DULCE MARIA PEREIRA

- Educação Ambiental: sujeitos e identidade

- Temas Geradores e Mudanças Ambientais Globais

- Educação Ambiental e Escolas Sustentáveis

- Pesquisa em Educação Ambiental

Profa. ELIANE LIMA DOS SANTOS (Potiguara)

- Educação Ambiental: sujeitos e identidade

Prof. HERMAN HUDSON DE OLIVEIRA

- Panorama da EA no Brasil

- Temas Geradores e Mudanças Ambientais Globais

Prof. JORGE LUIZ BRESCIA MURTA

- Projeto de Pesquisa, Intervenção e Seminários Temáticos

- Pesquisa em Educação Ambiental

Prof. GILBERTO FERNANDES

- Educação Ambiental e Escolas Sustentáveis

Profa. LUANA ROQUE SILVA MENDES BARROS

- Instrumentação para Educação Ambiental e a Prática Interdisciplinar

Prof. MARCO ANTONIO SILVEIRA CASTANHEIRA

- Educação Ambiental e Escolas Sustentáveis

Profa. MAYRA MOREIRA

- Panorama da EA no Brasil

- Instrumentação para Educação Ambiental e a Prática Interdisciplinar

Profa. PATRICIA SOARES

- Educação Ambiental e Escolas Sustentáveis

Profa. SUZY MAGALY ALVES CABRAL DE FREITAS

- Educação Ambiental e Escolas Sustentáveis

Prof. THIAGO MACEDO GOMES

- Educação a Distancia e Ambiente Virtual de Aprendizagem

Profa. TATIANE PEREIRA DE SOUZA

- Educação Ambiental: sujeitos e identidade

+ Membros da Comissão Especial

Presidente

Profa. Dulce Maria Pereira

Coordenadora do Processo Formativo em Educação Ambiental

Profa. Dulce Maria Pereira

Professores

Prof. Jorge Luiz Brescia Murta

Profa. Antônia Sônia Stachissini

Estágiário / Tutor (Assistente)

Luiz Fernando Barbosa de Queiroz

+ Membros do Comitê Consultivo

Contato geral

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Coordenador

Prof. Jorge Luiz Brescia Murta

Professores

Prof.ª Clarisse da Silva Vieira

Prof. Daniel Clark Orey

Prof. Gilson Antônio Nunes

Prof. Gilberto Fernandes

Prof. Herman Hudson de Oliveira

Prof.ª Luana Roque Silva Mendes Barros

Prof.ª Tatiana Gomes Ferreira

Prof. Milton Rosa

Prof. Renato de Mendonça

+ Links Relevantes

 

 

 

 


Secretaria do Curso

(31) 3559.1306

Supervisão Pedagógica do Curso

Prof.ª Antonia Sonia Stachissini

Prof. Jorge Luiz Brescia Murta

Supervisão do Curso

Prof. Samuel Borges da Silva

Prof. Thiago Macedo (supervisão em TI)

Coordenação do curso

Prof.ª Dulce Maria Pereira


Presidente

Prof.ª Dulce M. Pereira

(31) 3559.1306

Assistente

Luiz Fernando Barbosa de Queiroz

(31) 3559.1306

Coordenadora do Processo Formativo em Educação Ambiental

Prof.ª Dulce Maria Pereira


Coordenador

Prof. Jorge Luiz Brescia Murta

(31) 3559.1306